• whatsapp
  • telefone
  • emiass
  • Facebook App Icon

Rua Edgard Werneck, 431 
Freguesia – Rio de Janeiro - RJ

Tel.: 21 3094-4144

© 2019 by Rede Franciscanas

Imagens e vetores: Acervo próprio e freepik.com

Todos os direitos reservados.

Buscar
  • Bento XVI

Venha a nós o vosso Reino


Em 1925, Papa Pio XI escreveu a encíclica sobre o reinado de Jesus, a “QUAS PRIMAS”, e instituiu a festa de Cristo Rei do Universo. O motivo foi por há pouco ter ocorrido a Primeira Guerra Mundial e por todo o mundo ter algumas ideologias se espalhando. A intenção do Papa era abrir os olhos dos cristãos, para que escolhessem Jesus e não os ditadores que apareciam. Escolher o Evangelho e não suas ideologias.

Assim, neste dia em que a Igreja convida-nos a celebrar Jesus Cristo como Rei do universo; queremos recordar alguns trechos desta homilia do Papa Emérito Bento XVI no ano de 2012, palavras tão atuais para nossos dias, chama-nos a dirigir o olhar em direção ao futuro, ou melhor, em profundidade, para a meta última da história, que será o reino definitivo e eterno de Cristo.

No texto do Evangelho de São João, Jesus encontra-Se numa situação humilhante – a de acusado – diante do poder romano. Foi preso, insultado, escarnecido, e agora os seus inimigos esperam obter a sua condenação ao suplício da cruz. Apresentaram-No a Pilatos como alguém que aspira ao poder político, como o pretenso rei dos judeus.

O procurador romano faz a própria investigação e interroga Jesus: "Tu és rei dos judeus?" (Jo 18, 33). Na resposta a esta pergunta, Jesus esclarece a natureza do seu reino e da própria messianidade, que não é poder terreno, MAS AMOR QUE SERVE; afirma que o seu reino de modo algum se confunde com qualquer reino político: "A minha realeza não é deste mundo (...) o meu reino não é de cá" (v. 36).

Jesus sabe que o reino de Deus é de gênero totalmente diverso; não se baseia sobre as armas e a violência. E é justamente na multiplicação dos pães que se torna, por um lado, sinal da sua messianidade, mas, por outro, assinala uma viragem decisiva na sua atividade: a partir daquele momento aparece cada vez mais claro o caminho para a Cruz; nesta, no supremo ato de amor, resplandecerá o reino prometido, o reino de Deus. Mas a multidão não entende, fica decepcionada, e Jesus retira-Se para o monte sozinho para rezar, para falar com o Pai (cf. Jo 6, 1-15).

No Getsêmani, Pedro desembainhara a sua espada e começou a combater, mas Jesus deteve-o (cf. Jo 18, 10-11); não quer ser defendido com as armas, mas deseja cumprir a vontade do Pai até ao fim e estabelecer o seu reino, não com as armas e a violência, mas com a aparente fragilidade do AMOR QUE DÁ A VIDA. O reino de Deus é um reino completamente diferente dos reinos terrenos.

Por isso, diante de um homem indefeso, frágil, humilhado como se apresenta Jesus, um homem de poder como Pilatos fica surpreendido – surpreendido, porque ouve falar de um reino, de SERVIDORES – e faz uma pergunta, a seu ver paradoxal: "Logo, Tu és rei!". Que tipo de rei pode ser um homem naquelas condições!? Mas Jesus responde afirmativamente: "É como dizes: Eu sou rei! Para isto nasci, para isto vim ao mundo: para dar testemunho da Verdade. Todo aquele que vive da Verdade escuta a minha voz" (18, 37).

Jesus fala de rei, de reino, referindo-Se não ao domínio mas à verdade. Pilatos não entende: poderá haver um poder que não se obtenha com meios humanos? Um poder que não corresponda à lógica do domínio e da força? Jesus veio para revelar e trazer uma nova realeza: a realeza de Deus. Veio para dar testemunho da verdade de um Deus que é amor (cf. 1 Jo 4, 8.16) e que deseja estabelecer um reino de justiça, de amor e de paz (cf. Prefácio). Quem está aberto ao amor, escuta este testemunho e acolhe-o com fé, para entrar no reino de Deus.

Ser discípulos de Jesus significa não se deixar fascinar pela lógica mundana do poder, mas levar ao mundo a luz da verdade e do amor de Deus. Depois o autor do Apocalipse estende o olhar até à segunda vinda de Jesus – quando Ele voltar para julgar os homens e estabelecer para sempre o reino divino – e recorda-nos que a conversão, como resposta à graça divina, é a condição para a instauração desse reino (cf. 1, 7). É um vigoroso convite dirigido a todos e cada um: converter-se sem cessar ao reino de Deus, ao domínio de Deus, da Verdade, na nossa vida. Pedimo-lo diariamente na oração do "Pai nosso" com as palavras "Venha a nós o vosso reino", que equivale a dizer a Jesus: Senhor fazei que sejamos vossos, vivei em nós, reuni a humanidade dispersa e atribulada, para que em Vós tudo se submeta ao Pai da misericórdia e do amor.

Confia-se esta responsabilidade impelente: dar testemunho do reino de Deus, da verdade. Isso significa fazer sobressair sempre a prioridade de Deus e da sua vontade face aos interesses do mundo e dos seus poderes. Fazei-vos imitadores de Jesus, que diante de Pilatos, na situação humilhante descrita pelo Evangelho, manifestou a sua glória: a glória de amar até ao fim, dando a própria vida pelas pessoas amadas. Esta é a revelação do reino de Jesus. E por isso, com um só coração e uma só alma, rezemos: "Adveniat regnum tuum". Amen.

#CristoRei #Rei #Solenidade

15 visualizações