• whatsapp
  • telefone
  • emiass
  • Facebook App Icon

Rua Edgard Werneck, 431 
Freguesia – Rio de Janeiro - RJ

Tel.: 21 3094-4144

© 2019 by Rede Franciscanas

Imagens e vetores: Acervo próprio e freepik.com

Todos os direitos reservados.

FRANCISCO E O SULTÃO: 800 anos de um encontro histórico

June 5, 2019

Prezado (a) leitor (a) Paz e Bem!

 

Em março deste ano o papa Francisco viajou aos Emirados Árabes Unidos, para encontrar-se com a minoria católica, mas também com as autoridades islâmicas que dirigem aquele país. Foi um encontro histórico, que sublinhou, entre os tantos gestos proféticos deste papa vindo “do fim do mundo”, a importância do diálogo inter-religioso. O presente que o papa deu ao príncipe herdeiro também serviu para lembrar o motivo da viagem: uma medalha, com uma representação do encontro de São Francisco com o Sultão do Egito, ocorrido em 1219. Um encontro marcado pelo respeito mútuo, pela escuta sincera e pela cortesia. Neste ano de 2019, celebramos os 800 anos deste evento memorável. A realidade que estamos vivendo, no entanto, revela um recrudescimento da intolerância e do ódio, do fechamento ao diálogo, e até o esforço pela eliminação do diferente, por motivos religiosos, raciais e culturais. Diante dessa situação, torna-se cada vez mais urgente reforçarmos iniciativas, gestos e ações que privilegiem a abertura ao diálogo, o respeito às alteridades, a cortesia nas relações humanas. O gesto de Francisco de resolver ir desarmado ao encontro do Sultão do Egito, num momento em que cristãos e muçulmanos estavam se exterminando em meio ao ódio e a violência, é um verdadeiro paradigma para a construção de relações dialogais e fraternas. Por isso a Revista Grande Sinal resolveu dar um destaque maior a esse evento, que pode nos inspirar a rever alguns de nossos conceitos, e também nos ajudar no esforço por transformar nosso modo de pensar e de agir frente às inúmeras diferenças com as quais convivemos no dia-a-dia.

 

Inauguramos esta edição com um texto do Custódio da Terra Santa, Frei Francesco Patton, ofm. Nesta cidade, sagrada para as três “religiões do livro”, os franciscanos vivem, na concretude do dia a dia, o esforço de serem homens de diálogo e construtores da paz. Naquele encontro acontecido há oito séculos nas areias do Egito, os seguidores do homem de Assis encontram inspiração para viverem num ambiente de maioria muçulmana, evitando o confronto, a polêmica e a controvérsia. Como afirma frei Patton, “no momento em que retornam a ideia de contraste e a ideologia da incompatibilidade e incomunicabilidade entre diferentes culturas e religiões, o encontro de Damieta está aí para demonstrar o contrário, que somente o encontro e o diálogo produzem frutos a longo prazo”. Frei Sandro Roberto da Costa, professor de História do Cristianismo no Instituto Teológico Franciscano, nos sugere algumas pistas de reflexão a partir do contexto histórico das Cruzadas e das relações entre cristãos e muçulmanos no tempo de Francisco. Para ir ao encontro do Sultão, o poverello não se deixou levar pelo senso comum que dominava a cristandade medieval, que considerava o islã, e particularmente o Sultão, a “besta fera” a ser eliminada. Destacar o diálogo como elemento essencial da espiritualidade franciscana na inter-religiosidade, construído a partir da pluralidade de caminhos que levam a Deus, é a proposta do artigo de frei Vitório Mazzuco, mestre em espiritualidade. Como bem afirma o autor, não podemos mais pensar que “uma única tradição religiosa seja capaz de dispor sozinha da verdade única sobre Deus... cada religião é portadora de uma singularidade muito específica”. Frei Ivo Müller, Comissário da Terra Santa, partilha com os leitores algumas experiências concretas de encontro e diálogo, vividas a partir de seu contato mais próximo com a Terra Santa, e com o islã, em particular. Na sessão “textos seletos” reproduzimos a Carta do Ministro Geral da Ordem dos Frades Menores, frei Michael Perry, sobre os 800 anos do Encontro de Francisco com o Sultão, dirigida a todos os franciscanos e franciscanas, mas também aos irmãos muçulmanos. Um texto profundo, que nos questiona sobre quais ações e palavras agradariam a Deus no meio do pluralismo e da complexidade do mundo de hoje.

 

Na sessão denominada Reflexões, partilhamos um artigo de Dom Edson Oriolo, bispo auxiliar de Belo Horizonte. A partir da análise de vários pronunciamentos do papa Francisco, ele nos oferece uma reflexão sobre o papel do sacerdote nesta “Igreja em saída” do papa Francisco: O Ministério Sacerdotal para uma Igreja em saída seguindo o papa Francisco é o título de seu artigo. Segundo o autor, carinho, acolhimento, e compaixão de Deus são os pilares no exercício do ministério sacerdotal. O prof. Dr. Fernando Altemeyer Junior faz um impressionante levantamento dos nomes de cristãos assassinados pelos regimes totalitários, canonizados ou não, que antecederam a realização da grande assembleia convocada por João XXIII, e daqueles que, durante ou após o Concílio, foram presos ou mortos, por causa da fé. Santos e Mártires do Concílio Vaticano II é o título de sua reflexão. O sangue destes homens e mulheres, verdadeiros profetas, derramado em prol da justiça, em favor dos irmãos e irmãs, e na fidelidade à vocação assumida pela causa do Evangelho, fecundou e continua a fecundar a Igreja, confirmando a expressão de Tertuliano: O sangue dos mártires é semente de novos cristãos. Frei Oton da Silva Araújo Júnior, Doutor em Teologia Moral, oferece-nos uma reflexão sobre A mística familiar de Francisco e suas implicações. Utilizando-se dos escritos franciscanos, o autor faz uma interessante análise sobre uma semântica pouco explorada na espiritualidade franciscana: a Ordem Franciscana como uma família. Com um texto intitulado A Vocação única (laical), do frade menor, frei Walter de Carvalho Júnior, irmão leigo da Ordem dos Frades Menores, nos ajuda a refletir sobre a verdadeira vocação do frade menor. Como destaca frei Walter, há uma única vocação franciscana, cuja fonte é o batismo. A vocação franciscana não está, em nada, vinculada a um estatuto clerical. Neste número apresentamos a primeira parte desta rica reflexão. Fechamos esta sessão com um artigo sobre Thomas Merton, um dos maiores místicos e mestres espirituais do século XX. Paula Regina de Oliveira Reis da Silva, aluna do curso de Teologia do Instituto Teológico Franciscano, faz um estudo de sua obra O Homem Novo, onde o autor aprofunda o processo de crescimento espiritual do ser humano, a partir da doação de si mesmo.

Este número da Grande Sinal traz algumas novidades: além do novo Redator, Frei Sandro Roberto da Costa, a partir desta edição a Revista será disponibilizada integralmente na internet (https:// grandesinal.itf.edu.br/GS). Também nossa periodicidade, a partir deste ano, será semestral.

 

Esperamos que as reflexões propostas neste número possam nos inspirar no caminho do diálogo, no respeito a todas as pessoas e criaturas, a partir das exigências do Evangelho.

Boa leitura!

Frei Sandro Roberto da Costa, ofm

Redator

Publicado: 04-06-2019

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload

Posts Em Destaque

I'm busy working on my blog posts. Watch this space!

Please reload

Posts Recentes

December 3, 2018